Petrópolis, uma cidade de saudade

A minha Petrópolis e a Petrópolis de sempre Petrópolis, cidade da serra fluminense conhecida como Cidade Imperial, é uma daquelas cidades brasileiras que costumam encantar pessoas em busca de uma experiência de Brasil mais europeia. Frio, neblina, pinheiros, casarões imponentes, catedral de arquitetura gótica, histórias de monarcas, jardins bem ornamentados, uma coroa incrustada de pedrasContinuar lendo “Petrópolis, uma cidade de saudade”

Chuva, um violão e uma taça de canção

a vida?ah, sei láalgo absolutamente fascinantee, às vezes, o que mais importaé tão pequenoque de tão pequeno é grande uma taça de vinhopão com azeitea música de Santaolallauma conversa que bastae mais nada uma conexão que são mil delasas pétalas amarelas do girassol a chuva na montanhao cheiro de lasanha um beijo…e tudo que duasContinuar lendo “Chuva, um violão e uma taça de canção”

menino-música

no dicionário:como verbalizaro não verbalizável silêncio na soleira da portanotas que reverberamnos muros de pedraos tempos todosdos homens criando luz sonoranas construções antigasdo corpo culturale pondo abaixoaquela cidadela que seria nadanão fosse a tua música atravessandofazendo a seu modo o cotidianoum deus irradiandosemente nascente de embriaguezque ilumina, de cegar,a insensatez do soberano rindocomo prostituta deContinuar lendo “menino-música”

Improvável domingo

acordei um tanto extensae o cheiro de caféinvadia meus sentidos fazia silêncio, o céu estava azulventava um vento geladoe eu podia ouvir, ao longe,os pássaros e me lembrei do rio,do açude, das galinhasda montanha que não cansavade ser alma em forma de pedra acordei e ouvi meu riso de criança,de quando eu corria sem temponaContinuar lendo “Improvável domingo”

Notas ingênuas para o cotidiano

às vezes, é tão somenteo vento de quando o metrô chega na estação eu, já cansada (passa das dez),tentando conter a ilusão da rua do passeio o edifício odeon se torna um refúgiopara um coração estupefato por tantas palavras e desejose projetos que não cabem mais na agendae todas as certezas que não tenho aContinuar lendo “Notas ingênuas para o cotidiano”

Enigma da esfinge

rasgo em pedaços a vida rasaque quer me sufocar no dia a diada tua existência em máscarasda maquiagem bem feitae da foto perfeita de perfilbem vi tua perfeição a passeare roubar tuas sandálias stylecomigo, a poesia invademeu horário de trabalho!é deusa… e vadia que só elame lembra, afinal,o que é que vale a pename depenaparaContinuar lendo “Enigma da esfinge”