o porvir

Saudade do que ainda vou viver
De todos os lugares que vou conhecer
Ânsia do mundo
Da Índia, do Ártico
Da montanha que virá para contar segredos ancestrais
O além-mar de Portugal
O sorriso por compartilhar
O alto do infinito para gritar seu nome
Saudade sem fim do mar azul
Das estradas pelas quais passarão meus pés
Dos matos por pisar e causar afetos
De todos aqueles cheiros a sentir pelos mercados populares
E aquela gente toda estranha a sussurrar uma língua que não é sua
O suor do calor de deserto
O frio regado a vinho italiano
Outro a desafiar nossas barracas carregadas de sonhos
O mundo é todo meu mesmo não sendo
E deverá ser mais e mais
E cada vez mais
Nosso, do sonho de viver com asas
Até que a saudade não exista mais
Tal será o movimento como padrão da existência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: