poema do sutil

não!
não falarei do óbvio
este é um poema do sutil

este é um poema da escuta
que vê além das palavras surdas
e lê nas entrelinhas

este é um poema
que sabe

um poema
da intuição

não!
não falarei do óbvio
pois nada em ti é óbvio
a medida que carregas
no corpo a marca pulsante
da crueldade da existência

tudo em ti é sentido
e nada em ti foi naufrágio

pelo contrário

por isso
este não é um poema bandido

ele sabe o que é
tão claramente
que já vê a flor
quando olha pra semente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: