Revelação

Escrevo poesia quando menos espero
No aguardo da poesia mesma
Ou flertando com aquela
Que brota do concreto
Todo o tempo ela assopra no meu ouvido:
vai, Vanessa, me revela!
E as palavras me saem
Como vazamento
No bueiro da calçada
Invadindo a arquitetura
E toda a forma muito bem estruturada
Suja, bela, inesperada
Palavra amorfa que se amolda
Ao que transborda
Nessa hora eu poderia ser qualquer coisa
Chão, parede, janela
Qualquer densidade com cheiro de musgo
Todas as vigas e varas do teto
Para saber como é ser permanente
E preparada com cimento para o acaso
Porque a poesia me ensinou
Que ser humano se prepara mesmo
É no despreparo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: