réquiem

jamais
houve
metamorfose
maior
que esta
nem silêncio
tão doloroso
desses
de nascer
o novo
revirando
o próprio
poço
jamais
a vida
gritou
tão alto
dentro
do meu
corpo
alto,
tanto,
que sou
incapaz
de escuta
e deixo
que se derrame
todo
o pranto
sinto
é rasgo
no estômago
e o coração
pulsando
em cada
veia
desfazendo
toda
e qualquer teia
transformando
em cacos
os laços
para renascê-los
borboletas
sinto
é que rasguei
agora
a placenta
e ando
testando
a carga
nos fios
da solidão
para saber
até onde
aguenta
sei que não mais
haverá drama
estou farta
jamais
houve
metamorfose
mais rara
nem silêncio
tão precioso
desses
de celebrar
o novo
refazendo
o próprio

poço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: